Vinho Tinto Italiano Lionel Marchesi Bergollo Brunello Di Montalcino Docg 2015

CÓD. 977

DESCRIÇÃO

Dos aromas intensos da nossa terra … uma infinidade de emoções e sensações para serem apreendidas imediatamente … na magia do momento. No antigo Castelo de Camigliano fundado em 1278 uma adega de dois andares, onde o primeiro contém cubas de aço inoxidável de 97-122 Hl com temperatura controlada, enquanto o segundo, o andar inferior e subterrâneo, abriga barris de carvalho francês de 60 hl. A área frontal, que não é subterrânea, mas onde um zênite difuso com filtros de luz, também é usado para engarrafar e armazenar o vinho. A antiga adega de degustação, sob os muros da vila, com suas vigas de madeira e paredes de pedra, oferece um amplo espaço para degustações de vinhos e também pode ser um local de meditação, um local para saborear as diferentes safras de Brunello para entender sua evolução na cor, bouquet e sabor ao longo dos anos.

Ficha técnica:

14,0%

18°C

Sangiovese Grosso

Rubi intenso e reflexos violáceos

Sedutor e elegante , Começa ferroso e com nuances de cereja negra, depois vai se abrindo em toques de feno, sutis aromas florais e também de terra molhada, cogumelos, couro e pimenta branca

Parmesão bem maturado, embutidos mais gordurosos, como copa e salame trufado. Também vai bem com polenta trufada e ragu de carne ou com uma bisteca bem suculenta

Em boca é absolutamente incrível! Sua acidez cortante mostra toda a sua vivacidade e também indica que esse vinho ainda tem muito para evoluir na guarda

Sobre Itália

 

 

Com grande tradição na arte da vinicultura (desde 1.200 anos a.C.), a Itália conta com uma excelente diversidade de terroirs, além de uma rica variedade de castas autóctones de excelente qualidade — como as uvas Nebbiolo, Sangiovese, Barbera, Aglianico e tantas outras.

O país apresenta tamanha familiaridade com o cultivo de vinhas e com a elaboração de grandes rótulos que é comum associar a relevância histórica da Itália aos pilares da vinicultura. O país é o segundo maior produtor de vinhos do mundo, exportando mais de 1,55 bilhões de litros por ano. Sua produção/consumo interno é ainda maior e pode alcançar 4,4 bilhões de litros, de forma que cada cidadão italiano pode vir a consumir em média o equivalente a 48 litros da bebida.

A Itália é um país de grandes diversidades e berço de vários dos melhores vinhos do mundo. A marca registrada dos vinhos italianos é uma grande elegância e classe, combinadas com tipicidade e muito charme.

Os produtores italianos alcançaram uma grande melhora na produção de seus vinhos nos últimos anos, preservando, no entanto, as raízes do estilo clássico, maravilhoso e consagrado que encanta tantos enófilos pelo mundo afora.

A revolução da qualidade dos rótulos nas últimas décadas foi completa, introduzido na vinicultura italiana equipamentos modernos, controle de temperatura na fermentação, uso de pequenas barricas feitas de carvalho, novas técnicas nas cantinas e nos vinhedos, além da redução dos rendimentos e experimentação com novas uvas e clones. Todas essas inovações foram responsáveis por elevar a qualidade do vinho produzido na Itália, conduzindo muitos de seus rótulos ao ápice de sua pontuação.

Ao longo de todo o território italiano existem inúmeras regiões produtoras, como a Úmbria, Friuli, Alto Adige, Marche, Lazio, Toscana e Piemonte. Dentro da Denominazione Di Origene Controllata, criada em 1963, a Itália possui mais de 300 regiões vinícolas delimitadas, entre as quais aparecem vinhos Novello, vinhos Vecchio, vinhos Clássicos, vinhos Superiore, vinhos Riserva, vinho Spumante, vinho Frizzante, vinho Secco, vinho Abbocado, vinho Amabile, vinho Dolce, vinho Liquoroso, vinho Passito e vinho Ripasso.

Não é à toa que, em tempos antigos, o país era conhecido como Enotria (a terra do vinho). É nítido que pouquíssimos países no mundo são, por natureza, tão privilegiados pela viticultura como a Itália.